Espaços de Memória e Cultura em Mação

O projeto Espaços de Memória e Cultura em Mação teve o seu início no ano da reabertura do Museu de Mação, em 2005, no qual se cruzam a história oral, os registos de memória e património imaterial, a preservação de artefactos do passado recente e a criação de dinâmicas de socialização dos conhecimentos e de prospetiva.O projeto procura estabelecer uma ponte entre os registos de memória, marcados pela seleção afetiva (e por isso única, não comparável e subjetiva), e o exercício da história, que opera seleções racionalizadas e de acordo com métodos específicos de pesquisa, que podem ser replicados por outros.


No registo da memória, todos escutam histórias contadas por avós, vizinhos, ou amigos, que de alguma forma treinam os nossos ouvidos e o gosto pelo conhecimento do que foi mas já não é, ao qual se pode aceder através da memória daqueles que lá viveram. Muitas vezes essas memórias refletem mais o entendimento contemporâneo sobre o passado do que o registo rigoroso do mesmo, mas tal não diminui a sua importância nem o seu interesse, pois são esses processos que permitem que gerações sucessivas possam aprender e ganhar consciência da importância da preservação do património, material e imaterial, enquanto forma de identidade de uma comunidade.


É neste sentido, de salvaguarda do património, seja ele material ou imaterial, que o projeto de construção de Espaços de Memória e Cultura vem sendo implementado junto da população do concelho de Mação, através da equipa do Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo, tendo como objetivo primordial dar voz aos diversos participantes, cujas experiências são de contributo decisivo para a compreensão da cultura e da história, enquanto elementos integradores e produtores de Identidade.
Durante os últimos 10 anos foram sendo desenvolvidos diversos trabalhos no sentido de proteger a memória e a identidade da população do concelho de Mação.
Descrevemos assim, sucintamente, alguns dos trabalhos que foram sendo realizados:

 

1. Cardigos /Chaveira/Vales/Moita Recome

A freguesia de Cardigos foi dos primeiros lugares onde iniciámos este projeto, onde foi realizada a 1ª exposição com várias pessoas a participar e a doar objetos que se encontram no momento depositados na junta de freguesia de Cardigos. De entre os diversos participantes destacamos os primeiros doadores de objetos e histórias, o Sr. Luís da Silva e o seu irmão Manuel da Silva, com 98 e 94 anos respetivamente, à data de início dos trabalhos (ambos entretanto falecidos).

Espaço de Memória de Cardigos

  • Documento-doado-para-o-Espao-de-Memria-de-Cardigos
  • Espao-de-Memria-de-Cardigos
  • Transmisso-de-memria-oral---Espao-de-Memria-de--Cardigos


2. Casas da Ribeira/Ortiga


Na aldeia de Casas da Ribeira foi aberto um Espaço de Memória pela Associação Recreativa e Cultural das Casas da Ribeira. Criado inteiramente pela população, fomos sugerindo algumas ideias para melhorar a apresentação e preservação dos objetos. Este Espaço de Memória foi integrado num roteiro de atividades relacionadas com o Mestrado em Arqueologia Pré-histórica e Arte Rupestre e o Mestrado em Gestão de Paisagens Culturais do Instituto Politécnico de Tomar, do qual o Museu de Mação é parceiro.
Durante o ano de 2008 a equipa do Museu fez o acompanhamento da construção de um barco Picareto de forma artesanal pelo então Sr. Manuel Fontes na aldeia da Ortiga. O barco Picareto era um dos barcos tradicionais de pesca no Tejo e o Sr. Manuel Fontes o último pescador e calafate do Concelho.

 

Espaço de Memória das Casas da Ribeira

  • Espaço de Memória de  Casas da Ribeira

 

Espaço de Memória da Ortiga

  • Construo-de-Barco-Picareto---Ortiga

 

3. Aboboreira/ Penhascoso


Ainda em 2008 na então freguesia de Aboboreira, num espaço pertencente à Junta de Freguesia realizou-se uma exposição sobre o linho, recriando-se o processo de tecelagem com exposição de todos os objetos desde a semente do linho até ao produto final. A comunidade participou na sua montagem e servia ainda de espaço de convívio das pessoas interessadas em tecer algumas peças.
Na Freguesia do Penhascoso procedeu-se à recolha de memória oral e histórias de vida.

Espaço de Memória da Aboboreira

  • Espao-de-Memria-de-Aboboreira---fiar-o-linho
  • Espao-de-Memria-de-Aboboreira

 

4. S. José das Matas/Amêndoa

Foram feitas também entrevistas, recolha de memória oral e história de vida em S. José das Matas e Carvoeiro.
Visitámos por diversas vezes o Museu Paroquial de Amêndoa, onde existe um pequeno acervo, dando indicações de proteção dos tecidos, limpeza e manutenção dos objetos.


5. Pereiro


Elaborámos em conjunto com a Associação Desportiva e Cultural do Pereiro a Candidatura a Património Cultural Imaterial da tradicional Romaria da Senhora da Saúde com as Ruas Enfeitadas. O trabalho preparado conta com registo vídeo, fotográfico e testemunhos orais relacionados com a história da Nossa Senhora da Saúde, a sua romaria e evolução festiva:
(http://www.matrizpci.dgpc.pt/MatrizPCI.Web/InventarioNacional/DetalheFicha/572?dirPesq=1)

 

6. Mação


No antigo edifício da Escola Primária de Mação, onde funciona agora O Instituto Terra e Memória, centro de estudos e Investigação e Desenvolvimento, foram realizadas diversas exposições relacionadas com a temática da memória.
Em 2010 houve uma pequena mostra etnográfica incidindo sobre a latoaria de Mação com a colaboração do latoeiro, Sr. Manuel da Pomba.
Em 2011, a Exposição Ser Mação, contou com o empréstimo de quase 100 objetos oriundos das diferentes freguesias e dos diversos espaços de Memória existentes até à data.
Em 2012, em conjunto com o Agrupamento de Escolas Verde Horizonte, foi realizada a exposição “Histórias das nossas Memórias”, trabalho desenvolvido no âmbito do projeto “Um olhar sobre o nosso Património” em colaboração com a Biblioteca Municipal.
Com a participação dos alunos do pré-escolar e 1º ciclo de Mação, a ajuda dos pais, e a colaboração dos professores, foram reunidas mais de 200 peças etnográficas numa exposição temporária que colocou as crianças como relatoras das histórias das famílias através dos seus objetos.

  • Espao-Memria-Mao
  • Espao-Memria-de-Mao
  • Espao-de-Memria-Mao

 

7. Monte Penedo, Ribeira de Boas Eiras e Espinheiros


Em colaboração com a Associação de Melhoramentos do Monte Penedo, Ribeira de Boas Eiras e Espinheiro, foi criado um Espaço de Memória com o apoio e suporte da comunidade.
Este encontra-se aberto para visitas e é um exemplo das boas práticas comunitárias em termos de gestão de recursos culturais (https://www.facebook.com/A.M.M.P.R.B.E.E/).

O desafio deste projeto é estimular os mais velhos para que voltem a ter uma função social, a de fazer parte integral da sociedade que um dia ajudaram a construir, lembrando e partilhando essas lembranças, adquirindo novas funções e atividades que lhes permitam preencher os tempos vazios através da representação em forma institucional daquilo que é o seu grande tesouro: a sua cultura repleta de memórias.
Os espaços de memória podem, neste quadro, constituir-se como locais de transmissão e também de transformação desses saberes e experiências, protegendo e salvaguardando o património material e imaterial das pequenas comunidades.

Espaço de Memória de Monte Penedo, Ribeira de Boas Eiras e Espinheiro.

  • Bicicleta-recuperada---Espao-de-Memria-de-Monte-Penedo-Ribeira-de-Boas-Eiras-e-Espinheiro
  • Espao-Memria-de-Monte-Penedo-Ribeira-de-Boas-Eiras-e-Espinheiro
  • Espao-de-Memria-de--Monte-Penedo-Ribeira-de-Boas-Eiras-e-Espinheiro-1
  • Espao-de-Memria-de-Monte-Penedo-Ribeira-de-Boas-Eiras-e-Espinheiro
  • Espao-de-Memria-de-Monte-Penedo-Ribeira-de-Boas-e-Espinheiro